Para os cuidadores de idosos, o verão representa uma época desafiadora. As férias dos familiares, as temperaturas, a falta de atividades comunitárias... geram uma realidade de maior dificuldade para o cuidado dos idosos dependentes. Condições de saúde como diabetes, problemas cardíacos ou respiratórios, podem piorar em períodos de calor extremo, necessitando de cuidados intensivos e acompanhamento médico constante. Portanto, cuidar de uma pessoa dependente no verão torna-se uma tarefa que se torna ainda mais complicada.

Apresenta riscos graves, como a desidratação, comum devido à diminuição da sensação de sede e à falta de ingestão adequada de líquidos. Podem ocorrer “insolações”, causando tonturas, confusão e complicações ainda mais graves, como convulsões ou perda de consciência, tornando crucial a intervenção médica imediata.

Nos cuidados domiciliários de verão, os cuidadores enfrentam vários desafios:

Nós propomos

Priorizar a organização de atividades recreativas e sociais que promovam o bem-estar emocional e mental, ajudando-os a manter uma ligação significativa com o seu ambiente e comunidade.

Alimentos refrescantes e nutritivos à base de frutas e vegetais, bebidas frescas enriquecidas com sabores naturais como frutas e ervas aromáticas.

Promova a mudança de hábitos de sono e caminhadas logo pela manhã.

E para o cuidador: dedicar tempo de qualidade para descansar e realizar tarefas que aliviem a sensação de cansaço emocional produzido pelo nível de tensão causado por esta situação.

Cuidar é um trabalho que exige mais do que boa vontade. É necessário treinar técnicas de cuidado e adquirir habilidades psicoemocionais para administrar adequadamente a situação.

2 respostas

  1. Falar de CLD em qualquer altura do ano é um desafio, mas também uma oportunidade para evidenciar a falha pública e privada dos sistemas de saúde, mas também a formação dos profissionais do sector, onde os familiares e os pacientes, independentemente da sua idade e do seu comorbilidades associadas, têm algo em comum: a fraca literacia em saúde, a doença, a fragilidade, a incapacidade e a dependência, não só associadas ao envelhecimento, mas também a doenças evitáveis e não evitáveis em tempos de velhice sem fronteiras.
    Falar de cuidados de longa duração (CLP) implica que todos podem cuidar e que qualquer pessoa, em algum momento, será cuidada e também pode ser cuidadora de curto ou longo prazo.
    Visto desta forma, o eixo do meu trabalho, seja como pesquisador ou como cuidador profissional, considerou que o grande “buraco negro” do DPC é o desconhecimento desta realidade potencial e real: cuidar e ser cuidado. Como resultado da limitada formação básica em cuidados, seja de curto ou longo prazo, se não houver formação, os resultados também serão incertos dependendo da duração dos cuidados, do tipo de doença e do tipo de sujeito cuidado. Outro aspecto importante que devo mencionar é o tipo de família, que divido em família útil ou inútil.
    E onde os sistemas de saúde (P+P) cometem o mesmo erro em qualquer contingência de saúde ou doença. As suas respostas são sempre reativas e não proativas, muito menos com uma plataforma de respostas a estas contingências esperadas ou inesperadas. Neste cenário, o primeiro agente de saúde é a família útil e não a inútil, e onde a família também atua de forma reativa e proporciona formação básica que lhe permite responder com rapidez e segurança. Onde o suporte do sistema P ou P está ausente.
    Assim, o período sazonal de verão associado às alterações climáticas exige ações e intervenções proativas de todos os agentes sociais, para responder de forma ágil e coordenada a estas contingências. Neste cenário não existe um sistema de alerta e intervenção rápida de apoio ou monitorização e aqui está o desafio e a oportunidade de fazer mais com menos e isso é puro talento baseado no conhecimento, na experiência, na formação, para a resposta a situações simples ou complexas, dentro e fora do cenário de saúde e doença em tempos de pobreza e velhice sem fronteiras.

    Peru Envelhecimento 4,0 #hacienfomásconmenos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Assine a Newsletter do Instituto da Dependência!

Nossa equipe terá prazer em responder suas dúvidas ou dúvidas.